Skip to content

BTB 26: S610C: NÃO HÁ NADA IGUAL

O inovador Donald Robbins vê uma grande melhoria em suas operações de gerenciamento de plantações depois da "transformação de máquina" feita pela Tigercat.
 Donald Robbins, proprietário da Robbins Forestry, de pé em frente a um caminhão da Robbins Forestry.

Donald Robbins, proprietário da Robbins Forestry.

—Paul Iarocci

No início de 2010, a Tigercat abriu uma nova divisão com foco no desenvolvimento de máquinas especializadas para aplicações industriais fora da estrada. Assim como a Tigercat buscava ampliar seu conhecimento em maquinário de engenharia para aplicações de serviços pesados, o empreiteiro Donald Robbins, da Geórgia, estava procurando um fabricante para construir carregadeiras para suas operações de pulverização e fertilização em plantações de pinheiros jovens.

O skidder 610C — que anteriormente era usado como plataforma para o transportador de dispositivos aéreos AD610C, uma adição recente à linha industrial fora da estrada da Tigercat — era uma máquina de base perfeita para trabalhar. Para satisfazer o parâmetro de largura máxima de 2,4 m de Robbins, seria necessário um deslocamento extremo da roda. Isso, por sua vez, exigiria um eixo dianteiro fixo devido à folga insuficiente entre a parede interna do pneu e a máquina. Consequentemente, a máquina de Robbins precisaria de uma seção central oscilante.

Acho que a qualidade é algo que se perdeu nos últimos anos. Todo mundo quer coisas baratas, mas o barato nem sempre é o melhor. Eu não quero ser o mais barato. Quero ser o melhor e vou dar aos meus clientes o que eles pagaram.

— Donald Robbins

Por acaso, a Tigercat também tinha uma solicitação de um cliente do Equador, através do distribuidor Efocol-Equipos Forestales, de um forwarder simples baseado no 610C. Este projeto também envolve o desenho de uma seção central oscilante. Com dois modelos e mercados diferentes para distribuir os custos, de repente o projeto de pulverização de Robbins tornou-se viável.

Donald Robbins, proprietário da Robbins Forestry Inc., trabalhou no gerenciamento e na melhoria de plantações de pinheiros por 25 anos. Uma empresa que oferece vários tipos de serviço, a Robbins Forestry fabrica, pulveriza e fertiliza plantações. Robbins e suas máquinas também foram chamados para tarefas de combate a incêndios florestais. “Usamos água e retardador de fogo nas máquinas durante incêndios florestais a pedido do governo federal e de empresas florestais”, explica Robbins.

Um S610C imerso em uma floresta densa; um ambiente operacional típico para os pulverizadores S610C.

Um ambiente operacional típico para os pulverizadores S610C.

A empresa opera principalmente no sul da Geórgia e no norte da Flórida, atendendo a vários clientes corporativos e pequenos proprietários de terras. Na estrada com frequência, a esposa de Robbins, Rhonda, administra o escritório, localizado em Manor, Geórgia.

Alguns dos locais de trabalho no norte da Flórida estão situados em áreas ambientalmente sensíveis. O Departamento de Proteção Ambiental, em conjunto com as Regionais de Gerenciamento de Água da Flórida, tem regulamentações rigorosas, portanto a precisão é bastante importante. “A Regional de Gerenciamento de Água é muito rigorosa”, enfatiza Robbins. “O lugar onde você coloca o fertilizante é importante. Você precisa ser bastante preciso, porque há muitas áreas úmidas e ambientalmente sensíveis. Nossa precisão é de 2%.”

A Robbins Forestry está empenhada em fazer pulverizações durante cinco meses do ano e fertilizar durante os outros sete. Dependendo da espécie de erva daninha, a pulverização geralmente ocorre no final do verão e no outono. Durante todo o ciclo de rotatividade, o gerenciamento de plantações geralmente consiste em vários tratamentos de herbicidas e fertilizantes na fase de estabelecimento e vários outros ao longo do ciclo.

David Rewis, da Robbins Forestry, supervisiona as equipes de pulverização e fertilização. Ex-professor com formação formal em engenharia florestal e agrícola, Rewis diz que na primavera após um tratamento com fertilizantes há uma diferença evidente na altura da vela, a parte de cor clara que cresce no topo dos pinheiros.

Robbins começou sua carreira trabalhando para Roger James, que faleceu há 12 anos. Roger foi pioneiro no gerenciamento de plantações. Ele teve a ideia de um skidder com corpo pulverizador e inicialmente projetou o funil.

Dois homens em pé, vestidos informalmente. David Rewis (à esquerda) supervisiona as equipes do S610C. Van McLoon, representante de vendas da Tidewater Equipment, em Brunswick, vendeu três pulverizadores S610C para a Robbins Forestry.

David Rewis (à esquerda) supervisiona as equipes do S610C. Van McLoon, representante de vendas da Tidewater Equipment, em Brunswick, vendeu três pulverizadores S610C para a Robbins Forestry.

James e Robbins trabalharam juntos por treze anos e construíram várias máquinas, sempre usando os skidders Franklin como carregadeira base. “Poderíamos cortar um Franklin, cortar a lâmina, tirar o arco e estender o quadro”, explica Robbins. “Dou bastante crédito a Roger James. Ele foi um mentor, e aprendi muito com ele. Acho que ele ficaria orgulhoso da empresa hoje.”

Robbins continuou a melhorar e aperfeiçoar o maquinário. “Mudamos totalmente o design dos espalhadores e pulverizadores. Eles costumavam ter tendência a capotamentos, mas temos defletores agora. E os tanques são feitos de aço inoxidável de um quarto de polegada. Eles podem cair na vala sem perder a carga. Queremos garantir que, se algum tanque cair na vala, não haverá vazamentos.”

Embora Robbins tenha continuado a ajustar o design dos tanques de pulverização e das tremonhas ao longo dos anos, a falta de melhoria das carregadeiras causou grande frustração e perda de produção significativa. “Naquela época, eu achava que o Franklin era um bom trator. No entanto, ele não progrediu com o tempo”, diz Robbins.

“Descarreguei todos os Franklins que comprei do caminhão durante o verão e eles se sobreaqueceram. Esse foi o começo dos problemas. Nunca conseguimos arrefecê-los por causa do design da máquina. A transmissão de caixa de embreagem era um problema. A manutenção era terrível por causa do calor. O motor se sobreaquecia, depois o conversor de torque e o sistema hidráulico. Uma coisa estava ligada à outra.” Para piorar as coisas, nenhum fabricante estava interessado em produzir aquele tipo de máquina, porque o mercado era muito pequeno.

O pulverizador S610C entre filas de árvores.

A Robbins fabrica e instala tremonhas de fertilizante e tanques de pulverização. O S610C acomoda ambas as unidades.

“Finalmente conseguimos convencer a Tigercat a construir um trator, e ele funciona dia e noite. Nunca vi uma mudança tão grande. O trator Tigercat é 100% melhor do que qualquer trator Franklin. Ficamos presos com a Franklin e tivemos muitos problemas que eles nunca conseguiram resolver. Com o trator Tigercat, parece que esses problemas foram solucionados antecipadamente.

Ficamos muito impressionados.” As carregadeiras S610C podem chegar a uma velocidade de trabalho de 7,7 km/h, ou seja, são bastante rápidas considerando a densidade das plantações jovens e cheias de galhos. A Robbins tem um caminhão e um operador à disposição para manter as tremonhas ou os tanques de pulverização cheios.

A Robbins Forestry recebeu o primeiro S610C em junho de 2010, adquirido da Tidewater Equipment, em Brunswick, Geórgia. A máquina entrou em operação imediatamente no calor do verão em terreno pouco firme — uma combinação problemática. “Quando você está perfurando 10 cm de profundidade a uma temperatura de 38 °C, acaba descobrindo rapidamente se (a máquina) vai superaquecer ou não”, diz Robbins.

Um jacaré sobre a lama.

A Robbins Forestry opera frequentemente perto de áreas pantanosas ambientalmente sensíveis no norte da Florida. A precisão é de extrema importância na aplicação de herbicidas e fertilizantes.

Rewis acrescenta que quando você leva em conta todo o tempo de inatividade com as máquinas anteriores, a produção aumenta significativamente.

Robbins comprou mais dois pulverizadores S610C, totalizando três unidades. “Falei com provavelmente vinte lenhadores antes de comprar esses tratores. Cobrimos uma área ampla”, explica Robbins, que trabalhou nos dois estados da Carolina e no Alabama.

“Todo mundo falava bem dos tratores. Normalmente não é esse o caso, mas nunca ouvi falar mal deles.” Além de melhorar as taxas de disponibilidade das máquinas, Robbins teve algumas vantagens adicionais ao mudar sua frota para o S610C. Ele agora é capaz de usar pneus 30.5, o que aumenta a carga e aumenta a flutuação. Além disso, pneus mais espessos são mais duráveis. “Somos muito mais produtivos agora e não precisamos mais recarregar com frequência”, diz Robbins.

Os operadores também perceberam rapidamente que raramente é necessário bloquear os diferenciais. “Com o velho Franklin, precisávamos bloquear (o diferencial) sempre”, explica Robbins. “Quando fazíamos uma curva, todos os quatro pneus afundavam. Destruíamos a estrada de terra ou estragávamos a grama, e as chances de afundar eram maiores. Com a Tigercat, nós mal deixamos marcas no chão.”

Um trabalhador carrega a tremonha de um pulverizador S610C.

Serviço de drive-through… Uma tremonha dura cerca de 45 minutos. Recargas rápidas são necessárias para manter a alta produção.

“Outro grande problema são os incêndios. Tive três ou quatro Franklins queimados ao longo dos anos”, diz Robbins. “Havia detritos se acumulando sob o motor e a palha no coletor estava caindo e pegando fogo. No momento em que o operador descobria o incêndio, não havia nada que pudéssemos fazer.”

O pulverizador Tigercat S610C passa entre duas fileiras muito próximas de árvores jovens.

A Tigercat modificou a carregadeira 610C para diminuir bastante sua largura total. Isso permite que a S610C passe facilmente entre fileiras de árvores nas plantações jovens e densas.

Um ventilador de sucção de passo/reversão variável automático e uma tela de entrada de ar adicional evitam o acúmulo de detritos nos trocadores de calor. O ar de resfriamento flui em sentido oposto às máquinas Franklin. Os operadores limpam a pré-tela plissada na frente do radiador diariamente e o problema de detritos, que era tão constante, já não é um problema. “Agora, quando fazemos a manutenção semanal, a única coisa que encontramos na parte inferior do compartimento do motor é poeira”, diz Robbins.

A colaboração de Robbins com a Tigercat no projeto e nas especificações do S610C foi uma experiência positiva para todos. Queríamos avançar, e não retroceder, por isso pensamos juntos e conseguimos atingir o nosso objetivo. Os engenheiros foram envolvidos. Estou tão impressionado com os funcionários (da Tigercat) quanto com seus tratores.”

Relacionando a filosofia da Tigercat com a sua, ele continua: “Acho que a qualidade é algo que se perdeu nos últimos anos. Todo mundo quer coisas baratas, mas o barato nem sempre é o melhor. Eu não quero ser o mais barato. Quero ser o melhor e vou dar aos meus clientes o que eles pagaram.”

Assim como a Tigercat, o lema de Robbins na vida e nos negócios é inovar e melhorar continuamente. “Eu quero crescer. Não quero ser o cara que copia todo mundo. Quero ser o inovador, e não o imitador. Esta é a minha vida, e eu a aprecio muito. Sou muito grato pelo que tenho e pelo que minha família conquistou. Uma das minhas filhas fez mestrado e a outra é enfermeira, auxiliando em cirurgias cardíacas em Atlanta. Encorajei minha família a ser como meu negócio… crescer e ser produtiva.”