Skip to content

BTB 34: Especialista em eucaliptos

José Hidalgo fala sobre a sua empresa, a Mecherv, e como um passeio ao acaso na floresta da Colúmbia Britânica o levou a adquirir 30 máquinas da Tigercat.
O skidder 615C e o shovel logger LS855C trabalham em conjunto em uma montanha. O shovel logger pode mover madeira das seções mais íngremes do trecho e pré-cortar em feixe para o skidder, aumentando significativamente a produção do skidder nos trechos íngremes.

O skidder 615C e o shovel logger LS855C trabalham em conjunto. O shovel logger pode mover madeira das seções mais íngremes do trecho e pré-cortar em feixe para o skidder, aumentando significativamente a produção do skidder nos trechos íngremes.

A Mecharv S.A., sediada em Los Angeles, no Chile, não está estruturada como sua empresa contratante de colheita normal. O fundador e proprietário da Mecharv, José Hidalgo, iniciou em 1991 como um funcionário do departamento de colheita mecanizada da Monte Aguila S.A., uma empresa que possuía e controlava grandes recursos florestais no Chile naquela época. Em 2000, a Monte Aguila decidiu reduzir o departamento de colheita mecanizada, favorecendo o uso de empreiteiros terceirizados independentes para satisfazer as necessidades de fibra da empresa. Em 2001 a Mecharv S.A. foi fundada como uma empresa independente. José também fundou uma empresa irmã de transporte, de propriedade da Mecharv, denominada Transportes Reñico. “Meu objetivo não era criar a Mecharv apenas para mim, mas para todas as pessoas que trabalharam para mim nos anos anteriores [em Monte Aguila] e que foram trabalhadoras leais”, explica José. Foi dada a oportunidade a estes funcionários de se tornarem acionistas na nova empresa, dando origem a uma estrutura corporativa fechada única. Os investimentos de José fizeram dele o maior investidor entre os doze acionistas, mas hoje em dia ele detém apenas 49% das ações da empresa. “Se eu possuísse 51%, a empresa funcionaria como uma ditadura”, explica José. “O grupo de proprietários forma um conselho e, através deste, eles tomam decisões ativamente e participam no gerenciamento.”

(Da esquerda para a direita) Claudio Albornoz (especialista em vendas da Latin Equipment), Rossana Constant (administradora de vendas internacionais da Tigercat), José Hidalgo (proprietário da Mecharv) e Rodrigo De la Sotta (especialista em vendas da Latin Equipment) em frente a uma máquina a vapor antiga, parte da vasta coleção de equipamentos de José.

(Da esquerda para a direita) Claudio Albornoz (especialista em vendas da Latin Equipment), Rossana Constant (administradora de vendas internacionais da Tigercat), José Hidalgo (proprietário da Mecharv) e Rodrigo De la Sotta (especialista em vendas da Latin Equipment) em frente a uma máquina a vapor antiga, parte da vasta coleção de equipamentos de José.

José acredita que esta estrutura melhora o desempenho dos funcionários, pois eles têm uma participação real na empresa. “Se eu tiver uma proposta de investimento pesado, esta será uma decisão do conselho. Eu geralmente tomo as decisões porque eles confiam em mim, mas eu quero que os funcionários saibam e sintam que eles participam da tomada de decisões. Se eu tiver a lealdade deles, sei que trabalharão duro pela Mecharv.” Para começar, José adquiriu um sistema CTL usado da Ponsse a seu antigo empregador. Infelizmente as máquinas não estavam nas melhores condições. “No começo não foi fácil”, lembra José. “Tínhamos muita experiência técnica, mas não experiência comercial e de negócios. Fomos forçados a aprender rápido. Aprendemos caindo e falhando muitas vezes.” Enquanto o sistema CTL funcionava, colhendo cerca de 15.000 m³ no primeiro ano, José sonhava com o dia em que poderia operar equipamentos perfeitamente adequados para as operações. Ele também idealizava ter uma marca única para aproveitar as economias de escala e ter o conhecimento mecânico adequado para realizar manutenções e consertar tudo internamente.

Um fabricante e a melhor marca

No começo da década passada, a Komatsu tinha um acordo de marketing com a Silvatech Industries, fabricantes do skidder hidrostático da Morgan. “A Komatsu nos convidou para ver os skidders da Morgan no Canadá”, lembra José. “Chegamos a um canteiro de obras na Colúmbia Britânica. Um trilho levava ao local onde o skidder da Morgan estava operando”. Mas como José conta, havia outro trilho. “Eu ouvi o som de uma máquina e segui por curiosidade.” “A trilha levava a uma área onde um skidder da Tigercat estava trabalhando”, explica José. “Com o meu conhecimento básico de inglês, perguntei ao operador sobre a máquina e o operador disse que ela era ótima. Fiquei maravilhado com a máquina”. (Podemos imaginar o que o operador estava pensando quando se deparou com um chileno simpático em uma mata remota na Colúmbia Britânica). José continua, “O operador estava fazendo o transporte em declive. Eu entrei na cabine com ele e gostei da máquina, mas perguntei, ‘É possível fazer o transporte em aclive?’. Ele riu e disse, ‘Nós não fazemos dessa forma, mas sim, claro’. E ele deu a volta e transportou a carga em aclive na perfeição. De volta ao Chile, eu descobri que a Latin Equipment era a fornecedora da Tigercat e eu disse-lhes que queria um skidder 630B. E foi assim que meu amor pela Tigercat começou”. Posteriormente, a Mecharv adquiriu 30 máquinas da Tigercat. Apesar de operar máquinas de outras marcas, José justifica dizendo, “Isto acontece somente quando a Tigercat não produz a que estou procurando, como processadores pequenos”.

Sistemas e operações

Manuel Chicioada é o gerente de operações responsável por todas as configurações das muitas e variadas colheitas de eucaliptos da Mecharv. A produção total mensal é de 140.000 m³, quase dez vezes o volume de 2001, e a empresa agora emprega 190 pessoas.

O assento giratório é amplamente utilizado pelo operador nesta aplicação desafiadora. Vista de perto da cabine de um skidder.

O assento giratório é amplamente utilizado pelo operador nesta aplicação desafiadora.

A Monte Aguila foi adquirida por outra empresa florestal, a Forestal Mininco, em 2004. A Mininco gerencia florestas e exporta celulose, e José é grato por a empresa ter avaliado e reconhecido o bom trabalho que a Mecharv realizou. A Mecharv atualmente opera dois sistemas de picagem de cavacos de eucaliptos no terreno para a Mininco. Um opera em período integral e o segundo é utilizado como auxiliar, caso um dos outros empreiteiros da Mininco falhe no fornecimento do volume contratado. “O auxiliar mantém e garante o fornecimento de cavacos para a instalação da Mininco de Santa Fé”, diz José. O sistema único de picagem de cavacos produz 35.000 m³ por mês com um feller buncher do tipo dirigir até a árvore 724E, dois skidders (um 630D e um 620D) e um descascador/equipamento de picagem Precision Husky. Os dois sistemas de árvore inteira da Mecharv produzem 20.000 m³ cada por mês. As configurações são idênticas, com um feller buncher 724E, dois skidders 620D e uma T240 equipada com um slasher de serra de chão. São utilizadas duas máquinas para carregamento: uma T250 e uma 220C de montagem em caminhão. José explica que a 220C é usada caso decidam deixar um trabalho com madeira ainda na beira da estrada. Mais tarde o caminhão pode facilmente dirigir de volta para o local para carregar a madeira. Estas duas operações abastecem a fábrica de celulose da Mininco de Santa Fé. A madeira é colocada no caminhão na forma de árvore inteira com 5 cm de galhos e casca intacta. A fábrica desgalha e descasca nas próprias instalações, utilizando o material como combustível de biomassa para a fábrica. Outro sistema fornece um produto de árvore inteira similar para a Forestal Celco SA, uma subsidiária do Grupo Arauco, exceto o sistema que opera em terrenos muito inclinados. Este é composto por um feller buncher L830C, um skidder 604C a cabo, bem como skidders 610C e 620D equipados com guinchos. Uma 630 da Timberpro com uma serra de garra trabalha na beira da estrada. O Chile é um país montanhoso e não há falta de plantações de eucaliptos em terrenos íngremes. As encostas íngremes geralmente oferecem um clima excelente e condições de cultivo ideais. Geralmente, os vales e as seções mais baixas das montanhas são plantadas com eucaliptos e pinus radiata. As elevações mais altas aproximando-se ao norte da Cordilheira dos Andes são plantadas primariamente com pinus radiata. A Mecharv tem alguns equipamentos adicionais mecanizados para terrenos íngremes. Um sistema consiste em um buncher de esteira Valmet antigo (que será substituído em breve por uma L845C da Tigercat, que a Mecharv já encomendou), um skidder Tigercat 604C a cabo e uma carregadeira T234 equipada com slasher. As árvores são toradas em comprimentos de 5 a 7 m com a casca e os galhos intactos.

Um Tigercat LS855C em operação em um terreno muito inclinado no Chile.

De acordo com José, o LS855C é muito versátil. Ele derruba, levanta e pode cortar transversalmente na beira da estrada e até mesmo carregar caminhões se necessário. Poucas pessoas no Chile acharam que o conceito funcionaria e agora muitas estão tomando consciência disso.

O mais novo sistema de terreno íngreme, trabalhando nas plantações da Mininco, utiliza um shovel logger LS855C Tigercat equipado com um cabeçote de processamento Satco. Ele derruba, levanta e pré-corta em feixe para os skidders. Um novo 615C, o primeiro na América do Sul, e um 604C transportam as árvores para a beira da estrada, onde são toradas em comprimento sem necessidade de processamento posterior. O shovel logger e o skidder de seis rodas trabalham muito bem juntos, com o shovel logger melhorando consideravelmente a produtividade do skidder ao transportar a madeira em aclive a partir das seções mais íngremes do bloco. José, um pioneiro no Chile com o LS855C, explica que o shovel logger é uma máquina muito versátil porque consegue cortar transversalmente na beira da estrada e até mesmo carregar caminhões, se necessário. Ele acrescenta que poucas pessoas no Chile acharam que o conceito funcionaria, ainda assim ele criou uma nova operação muito produtiva com base na máquina e agora outras pessoas estão tomando consciência disso.

O primeiro 615C da Tigercat no Chile realizando o transporte em aclive em um dos sistemas mecanizados para terrenos muito inclinados da Mecharv.

O primeiro 615C da Tigercat no Chile realizando o transporte em aclive em um dos sistemas mecanizados para terrenos muito inclinados da Mecharv.

Vídeos relacionados