Skip to content

BTB 36: Colheita em terrenos muito inclinados, ao estilo da Nova Zelândia

Em apenas alguns anos, com a AB Equipment no comando, a quantidade de máquinas da Tigercat na Nova Zelândia aumentou de um punhado de unidades para mais de 120.
Observando uma vasta paisagem de colinas verdes e árvores. Observe com atenção e poderá ver o 880 da Dave Paul na plataforma.

Terreno florestal pertencente ao município de Dunedin. Observe com atenção e poderá ver o 880 da Dave Paul na plataforma.

Parece que uma confluência de fatores está por trás do crescimento exponencial. Sendo um país com ciclos de crescimento e colapso especialmente severos na indústria florestal, a Nova Zelândia tem desfrutado ultimamente de uma forte procura de toras de pinheiros por parte da Índia, China e Coreia. A menor valorização da moeda em comparação com a vizinha Austrália tornou o país especialmente atrativo para os mercados asiáticos. A forte economia local e o enorme esforço de reconstrução após o sismo de Christchurch em 2011 resultaram em um mercado doméstico decididamente mais firme para toras de grau superior comercializadas para serrarias locais para consumo doméstico.

A carregadeira LH855C da Dave Paul consegue cortar e desgalhar em terrenos muito inclinados.

A carregadeira LH855C da Dave Paul consegue cortar e desgalhar.

O fornecimento também está presente. Com rotações que variam entre os 25 e os 30 anos e produzindo em média tamanhos entre uma e quatro toneladas métricas, é evidente que o pinus radiata cresce muito bem na Nova Zelândia. Muitas plantações estão surgindo com uma capacidade global atual sustentável de cerca de 30 milhões de toneladas métricas anualmente. Se viajar para uma região florestal, é fácil constatar a partir da vista de cima que toda a paisagem parece estar plantada com pinus radiata. A Future Forests Research Limited (FFR), uma parceria estabelecida em 2007 entre a indústria florestal da Nova Zelândia e a Scion, uma organização de pesquisa florestal, indica que a proporção de colheita florestal nacional em territórios com colinas íngremes (excedendo os vinte graus de inclinação) representa atualmente 44% da colheita total. A previsão é que esse número aumente para 53% em 2016 e para mais de 60% em 2025.

A combinação de terrenos muito inclinados e madeira de grandes dimensões requer sistemas de colheita concebidos para terrenos íngremes, o que é uma especialidade da Tigercat. Os especialistas de vendas da AB Equipment e os funcionários da Tigercat no terreno na Nova Zelândia fizeram um excelente trabalho ao explicar as vantagens de carregadeiras de esteira com finalidades específicas e de skidders de alta capacidade para enfrentar inclinações e manusear madeira muito grande e, mais recentemente, a carregadeira de toras 880 como a máquina ideal para processamento em beira de estradas.

Dave Paul Logging

A Dave Paul, sediada em Dunedin, no sudeste da Ilha do Sul, tem um contrato de 75.000 toneladas métricas com o município. Curiosamente, o próprio município é proprietário de uma grande área florestal montanhosa em torno da cidade e comercializa as toras para a Ásia. Dave opera pessoalmente uma colheitadeira LH855C Tigercat relativamente nova equipada com um cabeçote de corte e desgalhamento Satco 424 de 3400 kg. Dave afirma que a combinação é confortável para lidar com árvores relativamente grandes, com cerca de 1,5 metro cúbico (1,65 tonelada curta) em inclinações acima dos 36 graus. Ele gosta da força de tração potente da carregadeira e afirma que o compartimento articulado do capô é muito positivo em termos de manutenção diária. Dave, que substituiu o seu chassi inferior com nivelamento fixo pelo R7-150L-2 da Tigercat, comenta que se sente bastante melhor ao final do dia, em comparação com a operação da sua máquina anterior.

A H855C da Renner corta e carrega madeira em aclive juntamente com o skidder 630C.

A H855C da Renner corta e carrega madeira em aclive juntamente com o skidder 630C.

Apesar de não ser um cabeçote de colheita verdadeiro, o Satco 424 possui roletes de alimentação, permitindo a Dave derrubar a árvore e efetuar um trabalho rápido e resistente de desgalhamento antes de a carregar para uma localização vantajosa para o skidder. O local onde visitamos Dave tinha a sua cota-parte de árvores tortas, bifurcadas e quase sem galhos no talhão; cortar alguns galhos no talhão diminui o peso e a resistência de arrasto, aumentando a produtividade do skidder e reduzindo o consumo de combustível e o desgaste do trem de transmissão. (O Pinus Radiata é bastante pesado, com uma taxa de um metro cúbico por tonelada.) Em comparação com uma região como a Colúmbia Britânica, com condições de colheita semelhantes, as várias espécies oscilam entre 0,55 e 0,8 tonelada métrica por metro com poucos galhos. Dave, que comprou o primeiro skidder da Tigercat na Ilha do Sul, um 630C, o trocou recentemente por um skidder 635D que afirma ser a opção ideal para a sua aplicação. O skidder é capaz de lidar com terrenos íngremes e madeiras de grandes dimensões, bem como quaisquer condições de solo pouco firme que encontrar.

O 635D arrasta a madeira para a beira da estrada, onde uma carregadeira de toras 880 Tigercat equipada com o Woodsman Pro 800, um cabeçote de 5000 kg, faz o processamento e a preparação para comercialização. Mesmo com troncos de vários tipos e de fraca qualidade (resultando em tempo adicional para coletar as árvores da pilha), a combinação 880/Woodsman processa facilmente a cota anual de 75.000 toneladas métricas de Dave. Com 18 níveis diferentes, a média de produção é de cerca de 350 toneladas métricas por dia. Dave apostou em um sistema capaz de lidar com os vários desafios resultantes de terrenos íngremes, madeira grande, muitos tipos e baixa qualidade do talhão.

Um skidder 635D puxando uma garra cheia de madeira de grandes dimensões.

O skidder 635D da Dave Paul.

Renner Logging

A Renner Logging, sediada em Rangiora, ao norte de Christchurch, na Ilha do Sul, é de propriedade de Peter e Wendy-Lee Renner. A empresa opera nas planícies de Canterbury e nas encostas que rodeiam o extremo leste dos famosos Alpes do Sul na Nova Zelândia. Pete, antigo atleta que competiu nos Jogos Olímpicos de verão de 1984 nos 3000 metros com obstáculos, é outro empreiteiro prático com muitos anos de experiência em corte manual. Com o grande crescimento da mecanização na Nova Zelândia, a grande maioria dos cortes manuais nas operações de Pete e Wendy foi substituída por uma LH855C Tigercat equipada com um cabeçote de corte direcional 630 Satco.

A Renner Logging opera uma H855C Tigercat com um HTH624C na beira da estrada, um skidder arrasta uma carga de madeira em direção à colheitadeira.

A Renner Logging opera uma H855C Tigercat com um HTH624C na beira da estrada.

Pete comprou inicialmente a LH855C com um Waratah para que a máquina tivesse a capacidade de exercer simultaneamente as funções de colheitadeira e processador nas operações florestais no solo na região das planícies de Canterbury. Agora que a maior parte do volume de corte anual das equipes em solo da Renner está se mudando para terrenos íngremes, e devido à resistência da LH855C original, sua decisão em comprar um segundo processador Tigercat H855C ficou muito mais fácil.

Pete trocou o HTH624C e o substituiu pela H855C baseada em solos planos, com o objetivo de usar a nova unidade como um processador na beira da estrada em tempo integral. Isto libertou a LH855C para que pudesse ser equipada com um cabeçote de corte direcional Satco para corte e corte de feixe a tempo inteiro no terreno mais íngreme. Levando em consideração que a diferença de preços entre a H855C e uma conversão de escavadeira era bastante pequena, para Pete e Wendy esta decisão foi “moleza”.

A H855C e o 1075B de Jordan. Jordan diz que o modelo CTL aumenta a estação.

A H855C e o 1075B de Jordan. Jordan diz que o modelo CTL aumenta a estação.

No dia da visita, a equipe de Pete estava trabalhando em solo íngreme e enlameado, com uma pequena porcentagem de árvores derrubadas pelo vento. A madeira que estavam cortando era relativamente pequena (abaixo do tamanho de peça de duas toneladas métricas, se isso pode ser considerado pequeno), porque estavam colhendo antes da rotação normal de 25–27 anos para obter a madeira de árvores derrubadas pelo vento.

A LH855C estava cortando e carregando a madeira pelas seções mais íngremes do talhão e alimentando o skidder 630C, que estava transportando a madeira no terreno mais fácil para a H855C na beira da estrada. Pete acredita que outro fator que contribuiu para o número crescente de plantações situadas em terrenos íngremes é a exposição reduzida a ventos fortes, que derrubam árvores e causam estragos nas planícies de Canterbury.

Grimmer Logging

Jordan Grimmer, proprietário da Grimmer Logging, sediada em Whangarei, opera na região Northland da Ilha do Norte. Em uma das poucas operações de CTL que visitamos na Nova Zelândia, Jordan é proprietário de dois forwarders 1075B Tigercat, uma LH855C equipada com um Waratah HTH625C e um feller/shovel logger baseado em escavadeira.

Jordan possui uma área de depósito de madeira com uma colheitadeira H855C mais antiga equipada com um cabeçote de corte Ensign. Esta máquina corta e junta as toras em feixe para o yarder. Jordan também comprou recentemente uma nova carregadeira de toras 880 Tigercat equipada com um Waratah HTH625C.

Jordan Grimmer (centro) acompanhado por Marcus Bourke, especialista de vendas da AB Equipment e Glen Marley, gerente distrital da Tigercat (direita).

Jordan Grimmer (centro) acompanhado por Marcus Bourke, especialista de vendas da AB Equipment, e Glen Marley, gerente distrital da Tigercat (direita).

Jordan adaptou e modificou o seu equipamento e as suas operações em terra ao longo dos anos em busca da melhor solução para as condições meteorológicas e de terreno que enfrenta normalmente, sempre levando em consideração o elemento de recursos humanos.

“Era necessário nos afastarmos das toras longas, com o objetivo de ampliar a estação para doze meses”, diz Jordan, que explica que a sua operação costumava usar derrubadores de árvores manuais em combinação com arrasto de toras longas para um processador baseado em escavadeira na beira da estrada. Com a adição da máquina de combinação feller/shovel baseada em escavadeiras e a colheitadeira de nivelamento específica da Tigercat, “Era possível nos livrarmos do skidder e substituí-lo por um forwarder”.

Um forwarder da Tigercat se desloca pela poeira.

Pode não parecer nesta fotografia, mas a precipitação é bastante elevada na região de Northland.

Nas operações de Jordan, o skidder era o elo fraco com várias desvantagens. Em primeiro lugar, e mais importante, o solo é muito úmido no inverno para que um skidder funcione de forma consistente, uma vez que a região possui uma drenagem fraca. Em segundo lugar, Jordan achava muito difícil encontrar bons operadores. Por outro lado, afirma: “Posso colocar qualquer garoto bom em videojogos no forwarder. E eles gostam de dirigi-los.” Apesar de Jordan admitir que um forwarder não consegue alcançar a mesma produção diária de um skidder, “Ao longo de um ano, a produção é muito melhor porque pode trabalhar mais dias”. Mais um exemplo de que devagar se vai ao longe.

A máquina baseada em escavadeira corta toda a madeira e a carrega conforme necessário pelas seções mais íngremes e úmidas do trecho. Para Jordan, esse é o segredo para a alta produção, pois deixa as árvores em uma posição mais favorável para o processamento e o carregamento, mantendo a LH855C e o 1075B fora das escarpas e com máxima produção. Isso permite que cada colheitadeira se mantenha à frente do resto do sistema — o que, de outro modo, seria difícil.

O operador do 1075B, Lionel Clark, tenta coletar o menor número possível de tipos por carga, enquanto equilibra o tamanho de carga com a quantidade de deslocamento da máquina por ciclo de carga. Este trabalho se tornou mais fácil quando Jordan passou a usar uma escavadeira na plataforma operada por um cortador de toras, Jo Coutts, que consegue ordenar rápida e eficientemente os três tipos de tora para serraria e três a quatro comprimentos de toras para exportação e celulose.

Mold Logging

A LH855C de Peter e Tim Mold cortando para um yarder em terreno íngreme.

A LH855C de Peter e Tim Mold cortando para um yarder em terreno íngreme.

O topo da Ilha do Norte faz fronteira com uma pequena península de 12 km de largura em algumas áreas. Uma parte escassamente povoada do país, as longas praias brancas funcionam também como rodovias. (A 90 Mile Beach foi usada como pista para os primeiros serviços aéreos entre a Austrália e a Nova Zelândia na década de 30. Até hoje, ela é referida como uma rodovia pública oficial).

Perto do topo da Ilha do Norte, próximo a Spirits Bay, encontramos a operação de transporte de toras da Mold Logging, pertencente a Peter e Tim Mold. Operando em plantações de Pinus Radiata de rotações de 25–27 anos em terrenos longos e muito inclinados — essencialmente uma duna de areia gigante — a Mold Logging utiliza uma LH855C equipada com um Satco 630, que corta e junta as toras em feixes para um yarder. Um processador 880 funciona na beira da estrada. Peter e Tim foram os primeiros na Nova Zelândia a usar um 880 e possuem um segundo operando com uma equipe em terra.

A região na qual os Mold estão operando é possivelmente a região de exploração florestal mais remota do país. Quando Peter e Tim procuravam um fornecedor de máquinas, a disponibilidade mecânica era um fator importante na decisão de compra — eles sabiam que o equipamento tinha de ser durável e confiável, com forte serviço e capacidade de reserva. Depois de muita pesquisa, Pete e Tim escolheram a Tigercat e a AB Equipment. Atualmente, a Mold Logging é responsável por uma das operações mais modernas, eficientes, confiáveis e profissionais de toda a Nova Zelândia.

Linda vista para uma baía

Vídeos relacionados