Skip to content

BTB 37: Expoforest 2014 no Brasil

A Tigercat estreia um novo disco de corte de feixe e excitantes novas opções para o forwarder 1075B.

Visão aérea da EXPOFOREST 2014

Pode não ter sido o maior evento do Brasil em 2014, mas a segunda Expoforest, em Mogi Guaçu, São Paulo, atraiu um grande público e atenção internacional. Como o evento ocorreu somente um mês antes do início da Copa do Mundo da FIFA, alguns visitantes estrangeiros se beneficiaram do novo terminal do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, mesmo com a pintura ainda fresca, equipes de construção trabalhando freneticamente entre os passageiros e infiltrações no telhado causadas pela chuva forte durante a tarde. Se o Brasil não parecia estar completamente pronto para o torneio, os organizadores da Expoforest estavam certamente bem preparados para o seu evento em todos os níveis.

Em comparação à Expoforest 2011, a Tigercat superou as expectativas, demonstrando não somente um sistema completo de árvores inteiras, mas também um sistema de corte no comprimento (CTL). A Tracbel, distribuidora da Tigercat no Brasil, organizou uma excelente exposição e o estande da Tigercat-Tracbel atraiu profissionais florestais de todo o Brasil, bem como do Chile, do Uruguai, do Paraguai, do México, do Canadá, dos Estados Unidos e da África do Sul.

 

O estande da Tigercat-Tracbel atraiu multidões não apenas da América do Sul e Central, mas do mundo todo.

O estande da Tigercat-Tracbel atraiu multidões não apenas da América do Sul e Central, mas do mundo todo.

O evento foi organizado pela International Paper, e toda a atividade de colheita foi realizada nas plantações comerciais da empresa. Os locais de demonstração tinham dimensões significativas, aproximando-se de uma operação na vida real, em oposição às “exposições” constritas e forçadas às quais nos acostumamos ao longo dos anos. O estande da Tigercat-Tracebel tinha uma média de 0,18 m3 por tronco em 1.100 troncos por hectare.

No final de 2013, a Tigercat lançou algumas novas opções e melhorias para o Tigercat 1075B. A grua e a garra com novo design têm sido utilizadas em uma aplicação extenuante de carregamento de dois turnos nas operações da Dalfey S.A., no norte do Uruguai, desde novembro (consultar a BTB, Direto e pesado, março de 2014). Em comparação a outras gruas de forwarders no mercado, a grua F195T85 para trabalhos pesados, concebida e fabricada pela Tigercat, é capaz de elevar, à mesma altura, cargas 20 a 30% mais pesadas. Além disso, seu torque de giro é 22 a 66% maior do que o das gruas da concorrência. É a única grua compatível com uma garra de 0,53 m2, uma grande vantagem em aplicações de toras de diâmetros menores. Como uma média de 50% do ciclo de trabalho dos forwarders é dedicada à carga e à descarga, aumentar o número de toras por ciclo da grua pode melhorar bastante a produtividade global da máquina. A geometria da grua está otimizada para ciclos de carga e descarga rápidos, com excelente folga da garra acima da carga.

Vista de perto da grua Tigercat F195T85 e da nova garra de alta capacidade da série 530 em um forwarder 1075B.

O 1075B foi equipado com a nova grua F195T85 Tigercat e com a nova garra de alta capacidade da série 530.

As novas garras das séries 430 e 530 da Tigercat complementam a grua para trabalhos pesados com maiores capacidades de área de carga, respectivamente, 0,43 m2 e 0,53 m2. As garras estão equipadas com buchas de paredes espessas para uma vida útil mais longa. A articulação possui um design de roteamento de mangueiras com patente pendente para proteger melhor as mangueiras, e o amortecedor de oscilação foi especialmente concebido para aplicações de trabalhos pesados.

O 1075B foi associado à colheitadeira H845C, equipada com o cabeçote SP 591 LX G2, construído especialmente para colheita e descascamento de eucaliptos entre 100 e 350 mm. A H845C está provando ser uma excelente carregadeira para aplicações de colheita e processamento de menor diâmetro em ambos os hemisférios. No estande de demonstração, a colheitadeira cortou, processou e descascou cerca de 120 árvores ou 22 m3 (aproximadamente 23 toneladas) por hora. Com uma distância de 250 m, o 1075B alcançou três cargas ou 66 m3 por hora. Em geral, em uma operação real, duas colheitadeiras H845C seriam pareadas com um 1075B.

A H845C com o cabeçote SP591 entre árvores finas e altas durante processamento no toco.

A H845C com o cabeçote SP591 cortou, processou e descascou árvores a uma taxa de 120 árvores por hora.

A base de clientes brasileiros (apesar de consciente dos custos de capital) tem expectativas altas em relação à carregadeira base para cabeçotes de colheita. Os requisitos especiais incluem bombas de vácuo, tanques de água no nível do solo para os operadores lavarem as mãos, sistemas de combate a incêndio, sistemas de lubrificação automática, cabines de operador com certificação ISO, persianas, assentos especializados, sistemas de câmera, telemática, luzes de trabalho HID ou LED e caixas de ferramentas. Normalmente, a carregadeira colheitadeira de eleição é uma escavadeira de 20 toneladas totalmente modificada para satisfazer algumas dessas expectativas (cabine certificada pela ISO não incluída). A H845C da Tigercat está preparada para aplicações madeireiras e inclui todas essas características como equipamento padrão ou opcional disponível para qualquer cliente da Tigercat no mundo. Com uma operação melhor, mais confiável e mais eficiente do que as conversões de escavadeiras, o custo por tonelada da H845C é o menor até agora.

Sistema de árvores inteiras para eucaliptos

O sistema de árvores inteiras era composto por um feller buncher 860C, um skidder 635D e uma carregadeira T250B Tigercat equipada com uma serra de garra para desbaste na beira da estrada. A serra de garra é fabricada em conjunto pela Rotobec e pela empresa brasileira MSU.

Grande parte do público já estava familiarizada com as altas taxas de produtividade do 635D, mas o 860C chamou bastante a atenção porque estava equipado com o novo disco de corte de feixe 5300. De acordo com o gerente de produtos de implementos, Duane Barlow: “A procura pelo 5300 veio do Brasil. O cliente, a International Paper, pediu duas árvores por ciclo de feixe a mais. O disco de corte de feixe 5600 teria conseguido isso e muito mais, mas teria adicionado muito peso à extremidade da lança e não poderíamos efetivamente obter a acumulação extra com o design do 5000 existente.”

O 860C equipado com ER com um feixe de árvores na nova serra 5300

O 860C equipado com ER com a nova serra 5300, concebida especificamente para capacidades de feixe opcionais em aplicações de plantações de ciclo alto. O buncher corta facilmente 800 a 1000 árvores por hora.

Para combater o desgaste da esteira e os problemas de estabilidade que certamente ocorrerão como resultado do peso extra do cabeçote e das árvores adicionais que podem ser coletadas por ele, a 5300, juntamente com a cruzeta de 340 graus de alto torque, foi combinada com um feller buncher 860C com o chassi inferior R7-150. O R7-150 é mais estável e robusto, com estruturas de esteira maiores e componentes FH400 mais resistentes, em comparação com os chassis inferiores F6-140 e F6-155 (com o tamanho do F8), especificados normalmente para o 860C. Essencialmente, a máquina é um 870C sem a capacidade de combustível extra. Gary Olson, representante de vendas internacionais da empresa, espera que o 870C substitua o 860C como a oferta padrão de giro traseiro para o mercado de exportação. Ocorreu algo semelhante no Canadá, onde o chassi inferior com o tamanho do F8 foi considerado insuficiente, uma vez que as capacidades e o desempenho dessas carregadeiras aumentaram ao longo dos anos.

Um 635D com uma garra grande cheia de eucaliptos e um feller buncher 860C juntando árvores logo atrás. Ao fundo, eucaliptos altos podem ser vistos.

Um feller buncher 860C e um 635D com árvores inteiras.

A produtividade do sistema nos eucaliptos com tamanho de peça de 0,18 m3, incluindo o desbaste para comprimentos de 6 m (sem descascamento), é de aproximadamente 100 m3 por hora. O 860C pode cortar e juntar as toras em feixes a uma taxa de 144 m3 por hora. No entanto, com distâncias de 200 m, o 635D estava transportando somente 100 m3 por hora. Em geral, para resolver a assimetria, o operador do buncher passa mais tempo construindo feixes maiores do skidder.

A 250B equipada com uma serra de garra Rotobec – MSU para desbaste de até 6 m de comprimento e carregamento na beira da estrada.

A 250B equipada com uma serra de garra Rotobec — MSU para desbaste de até 6 m de comprimento e carregamento na beira da estrada.

Fatos sobre o novo F195T85 da Tigercat

O F195T85 é a única grua com sensores de amortecimento de posição final padrão na lança para evitar cargas de impacto. Os rolamentos cônicos de rolete na base de giro foram concebidos para durarem toda a vida útil da máquina, uma melhoria significativa em relação às rótulas e aos rolamentos autocompensadores de rolos usados em outras gruas. Além disso, o cilindro telescópico é almofadado. Também é a única grua com articulações giratórias nas mangueiras dos pilares para uma vida útil das mangueiras superior, com buchas de paredes espessas usadas em todos os pivôs.

Elevação bruta: 195 kNm
Giro bruto: 55 kNm
Alcance máximo: 8,5 m

Sobre o SP 591 LX G2

O SP 591 LX G2 foi fabricado especificamente para colheita e descascamento de eucaliptos grandes. É um cabeçote de colheita extremamente durável, projetado de acordo com o princípio LX de confiabilidade e produtividade máximas, mesmo nas condições mais difíceis. Todo o cabeçote possui um design rígido, desde componentes grandes, como estrutura e lâminas, a pinos e vedações. Apesar do seu aspecto bruto e resistente, o SP 591 LX G2 não oferece somente resistência e confiabilidade. Soluções inteligentes, como pressões proporcionais, em combinação com uma eficiência de descascamento sem precedentes, fazem do SP 591 LX G2 um cabeçote de colheita extremamente rápido, produtivo e eficiente em termos de combustível.

Peso: 1.850 kg
Corte máximo: 600 mm
Abertura do rolete de alimentação: 630 mm
Diâmetro de descascamento ideal: 100–350 mm

Vídeos relacionados