Skip to content

BTB 38: Fantasmas na floresta

Recentemente, a BTB visitou as Cape Breton Highlands para ver como a primeira colheitadeira 1135 no continente estava funcionando. A Highland Pulp Ltd., sediada em Truro, Nova Escócia, adquiriu recentemente a máquina para efetuar desbaste fantasma.

— Paul Iarocci

Highland Pulp é uma empresa familiar pertencente a James Tompkins, com uma longa história no Cabo Bretão. Donald Tompkins, pai de James e fundador da Highland Pulp em 1962, foi um pioneiro em mecanização, operando uma colheitadeira Beloit desde o início de 1965. Donald comprou uma colheitadeira de toras curtas Koehring em 1970 e, como explica James, “A colheitadeira foi utilizada até 1989. Nos últimos anos, ela fez o trabalho de preparação de locais”.

A colheitadeira 1135 passando entre duas árvores bem próximas uma da outra na floresta.

Com uma cabine afunilada e estreita, a 1135 pode passar por locais apertados sem entrar em contato com árvores residuais ou danificá-las.

(Nota para o leitor: Muitos membros da equipe original da Tigercat vieram da Koehring Waterous, uma fabricante de equipamentos pesados localizada em Brantford e comprada pela Timberjack em 1988).

Donald faleceu em 1983, precisamente quando o período de devastação nas florestas de Cape Breton causada por lagartas Spruce Budworm estava chegando ao fim. O surto destruiu cerca de 1,2 milhão de hectares de floresta, originando uma tentativa de salvamento por meio de corte raso e vendas por atacado. Eventualmente, deixou de haver madeira para cortar. Após o falecimento do seu pai, o filho mais velho, James, passou a liderar os negócios. Em 1989, James realocou a empresa de Margaree Valley para Truro (no território da Nova Escócia).

A lança de 9,7 m possui uma base inclinada, permitindo ao operador alcançar árvores em pé. O operador Jacob Curry processa as toras para o trilho do forwarder mais próximo. O espaçamento entre os trilhos do forwarder é de 30 m.

A lança de 9,7 m possui uma base inclinada, permitindo ao operador alcançar árvores em pé. O operador Jacob Curry processa as toras para o trilho do forwarder mais próximo. O espaçamento entre os trilhos do forwarder é de 30 m.

Agora, cerca de 25 anos depois, a Highland Pulp está de volta a Highlands para a curta estação de verão, efetuando desbastes e colheitas de corte raso nas florestas marginais e mal gerenciadas que foram replantadas na sequência do surto de lagartas Spruce Budworm. A equipe de corte raso da Highland Pulp utiliza uma combinação de colheitadeiras da série 845 Tigercat e forwarders de 14 toneladas métricas. James comprou sua primeira colheitadeira H845B Tigercat em 2001 e o protótipo do forwarder 1014 Tigercat em 2004. Recentemente, vendeu o 1014 e a H845B continua funcionando todos os dias. Curiosamente, a colheitadeira avariou praticamente no momento em que foi entregue devido a um alternador. James e o gerente distrital da Tigercat, Chris Baldwin, estavam preocupados que a máquina pudesse ter defeitos, mas as 35 mil horas posteriores de operação em turnos duplos praticamente sem problemas eliminaram suas preocupações iniciais. Este ano, James comprou uma nova H845C de Sandy Hodgson, gerente florestal da Wajax Equipment Maritimes, que será entregue em janeiro de 2016. A Highland Pulp opera três colheitadeiras da série H845 no total.

Em seguida, em setembro de 2014, a Highland Pulp comprou a primeira 1135 da Wajax na América do Norte, depois de Hodgson e Chris Baldwin, gestor de distrito da Tigercat, avaliarem cuidadosamente as necessidades da empresa. (Baldwin tem bastante experiência com o produto 1135, após vários anos trabalhando no mercado sueco.) A 1135 foi desenvolvida em 2009 para desbaste inicial em talhão (ou desbaste fantasma) na Suécia. Ironicamente, é outro fantasma na floresta, a elusiva e ameaçada marta, que está impondo esta técnica de colheita de impacto ultra-baixo. “Se não fosse o desbaste fantasma, a Port Hawkesbury Paper não teria sido capaz de utilizar esta madeira de forma alguma”, afirma James. A 1135 da Highland está trabalhando em uma porção de território florestal abrangendo cerca de 40 mil hectares no total, protegido por ser o habitat da marta.

Scott Earle, gerente distrital da Tigercat, com Jacob Curry, operador da 1135, James Tompkins, proprietário da Highland Pump, e Sandy Hodgson, gerente florestal da Wajax Maritimes.

Scott Earle, gerente distrital da Tigercat, com Jacob Curry, operador da 1135, James Tompkins, proprietário da Highland Pump, e Sandy Hodgson, gerente florestal da Wajax Maritimes.

A última vez em que foram feitos tratamentos de desbaste fantasma na província foi há dez anos. A técnica está regressando, não somente para o habitat da marta em Cape Breton, mas também no continente, onde o espaçamento de 30 m entre os trilhos do forwarder é um requisito para mitigar os riscos de árvores derrubadas pelo vento exacerbados pelo sistema radicular superficial que caracteriza uma grande parte dessa área florestal.

A ideia é que o espaçamento mínimo entre os trilhos do forwarder seja de 30 m. Em seguida, a 1135 faz duas passagens entre os trilhos, usando a grua de 9,7 m para processar madeira para o trilho mais próximo, à medida que avança pela floresta, removendo árvores de uma área basal de 20. Os volumes de desbaste são depois confirmados com o uso de drones equipados com LIDAR (Light Detection and Ranging). O sistema LIDAR usa impulsos laser para gerar perfis em 3D, fornecendo dados confiáveis sobre o inventário, incluindo as distribuições de volume e diâmetro.

A 1135, juntamente com o equipamento restante de colheita em operação em Highlands, será transferida para a Nova Escócia no final de outubro, porque a colheita no inverno não é viável na ilha – a cobertura de neve nas elevações superiores é normalmente superior a três metros.

James se tornou responsável pela Highland Pulp ainda jovem. Seus dois irmãos mais novos trabalham no negócio. Robert é mecânico e Kevin, operador. James tem dois filhos, Adam e Michael, que também trabalham no negócio. Ambos estão fazendo um estágio como técnicos de equipamento pesado. Atualmente, Adam está gerindo a equipe de desbaste.

Colheitadeira de toras curtas da Koehring. Donald Tompkins foi pioneiro em mecanização. A Highland Pulp operou a máquina de 1970 a 1989.

Colheitadeira de toras curtas da Koehring. Donald Tompkins foi pioneiro em mecanização. A Highland Pulp operou a máquina de 1970 a 1989.

Jacob Curry, operador da 1135, não tinha experiência anterior em colheitadeiras de roda, mas, após um mês na máquina, ele está confiante e produtivo em distâncias curtas. As árvores são pequenas, com muitos galhos, e densamente espaçadas, limitando a visibilidade e o espaço de manobra. Caminhando atrás da 1135, é muito difícil dizer que uma máquina de 15 toneladas métricas acabou de passar no local. A máquina mais estreita e a grua altamente manobrável, que pode literalmente alcançar árvores em pé, ajudam a reduzir os distúrbios florestais a um mínimo absoluto.

Um aspecto inovador da 1135 é que ela está equipada com um cabeçote maior (Logmax 5000) do que os cabeçotes das máquinas que operam na Suécia. Esse foi um requisito de James para que a colheitadeira fosse versátil para lidar com madeira grande e trabalhos de corte raso, conforme necessário. Para ler mais sobre a colheitadeira 1135, consulte a edição nº 27 da BTB, de março de 2011, Análise de novo produto: colheitadeira 1135.

Colheitadeira de toras curtas da Koehring.