Skip to content

BTB 53: Quarentena e COVID-19 na África do Sul

Gary Olsen relata as realidades do setor de extração madeireira na África do Sul na era da COVID na nova seção da Between the Branches, "Notícias do campo".
Entrega do 1075C da SOS Contractors realizada em Karkloof, KwaZulu-Natal. (Da esquerda para a direita) Neels Potgieter, gerente de colheita da SOS Contractors; Kobus van Staden, técnico de colheita da SOS Contractors; John Barbour, gerente técnico da AfrEquip.

Entrega do 1075C da SOS Contractors realizada em Karkloof, KwaZulu-Natal. (Da esquerda para a direita) Neels Potgieter, gerente de colheita da SOS Contractors; Kobus van Staden, técnico de colheita da SOS Contractors; John Barbour, gerente técnico da AfrEquip.


27 de março marcou o primeiro dia de uma quarentena muito severa na África do Sul. A quarentena de cinco níveis consistia em regras rigorosas, como as que todos nós vivenciamos globalmente, mas com um toque desagradável: as vendas de produtos de tabaco ou bebidas alcoólicas foram proibidas. Sem qualquer aviso, tudo fechou, mas felizmente seria apenas por três semanas. Então, esse pesadelo ficaria para trás e poderíamos continuar a vida como de costume. Foi o que pensamos.

Felizmente, a silvicultura foi considerada um serviço essencial. Assim, nossos clientes e nossa revendedora AfrEquip puderam continuar com as operações, embora sob condições e protocolos rigorosos. Na AfrEquip, apenas viagens essenciais e técnicas eram permitidas para apoiar os clientes. Escolas e negócios não essenciais fecharam. As casas ficaram cheias quase 24 horas por dia, sete dias por semana, colocando a paciência de todos à prova. Do dia para a noite, minha casa passou de dois adultos e três cães para quatro adultos e cinco cães!


 Eddie Barnard, técnico de campo da AfrEquip; John Barbour, gerente técnico da AfrEquip; Brendan Moore, gerente de desenvolvimento de negócios da AfrEquip; Mark Venter, gerente de área da AfrEquip, na frente do skidder 604E.

Entrega do 604E da Bostek realizada em Barberton, Mpumalanga. (Da esquerda para a direita) Eddie Barnard, técnico de campo da AfrEquip; John Barbour, gerente técnico da AfrEquip; Brendan Moore, gerente de desenvolvimento de negócios da AfrEquip; Mark Venter, gerente de área da AfrEquip.


O desafio mais significativo dos nossos clientes foi fazer o transporte das suas equipes para o local de trabalho, respeitando as restrições de distanciamento social. Como resultado, as atividades mecanizadas foram intensificadas em relação às manuais ou semimecanizadas para reduzir o número de pessoas necessárias nas operações. Durante esse período, a AfrEquip conseguiu entregar várias máquinas para novos clientes e fez novos pedidos para a fábrica da Tigercat. Foi muito encorajador que, apesar da nova desvalorização do rand em relação ao dólar norte-americano, e de todas as outras incertezas comerciais relacionadas à pandemia, as contratantes não estavam apenas trabalhando, mas também confiantes em comprar novas máquinas.


Carregamento do forwarder 1075C.

Operadores da SOS Contractors praticando no novo forwarder 1075C na área central de KwaZulu-Natal.


Três semanas se passaram e o estoque de bebidas estava começando a diminuir na casa de Olsen. Então foi um desastre quando o presidente anunciou mais quatro semanas de quarentena no nível 5. Outras proibições sem sentido foram estabelecidas, como a proibição de venda no varejo de roupas de verão, sapatos abertos ou eletrodomésticos. Depois de fechar salões de cabeleireiro e barbearias, foi proibida a venda de todos os produtos para cabelos. Podíamos comprar uma lata de comida, mas não um abridor de latas. As políticas de quarentena da COVID-19 deram algumas reviravoltas ao longo do verão até 17 de agosto, quando algum princípio de normalidade retornou ao país e à economia local. No entanto, a situação permanece incerta, com dados diários observados de perto e episódios de pânico causados por rumores.

Enfrentar a quarentena tem sido um desafio mental muito maior do que físico. Uma certeza é que o pensamento criativo e a resolução de problemas por parte da AfrEquip e da base de clientes permitiram que a colheita de árvores continuasse durante todo o período.


Gary vive em Pietermaritzburg, África do Sul, e é gerente de vendas internacionais da Tigercat para o hemisfério sul.


 

Artigos relacionados