Skip to content

BTB 45: OS DOIS LADOS DE UMA MOEDA DESVALORIZADA

Os empreiteiros de colheita da África do Sul utilizam máquinas florestais especialmente projetadas de alta qualidade e adquiriram a experiência necessária para operá-las por longas horas. A longevidade das máquinas é um fator crítico.

– Gary Olsen, representante de vendas internacionais da empresa

A Tigercat forneceu suas primeiras máquinas – um feller buncher de rodas 720D e um skidder de garra 630C – para um distribuidor da África do Sul, a AfrEquip, em julho de 2005. Nos dezoito meses seguintes, o número de máquinas Tigercat na indústria florestal sul-africana explodiu, atingindo mais de 50 unidades em meados de 2007.

Na taxa de câmbio de julho de 2005, um dólar norte-americano equivalia a 6,68 rands sul-africanos. No final de 2006, essa taxa tinha aumentado apenas um pouco para 1:7. A oportunidade foi aproveitada. No entanto, se a indústria florestal da África do Sul tivesse explorado ainda mais o bom momento, poderia ter aumentado a sua capacidade de controlar com facilidade os custos de colheita.

Em dólares norte-americanos, a economia proporcionada por essas máquinas devido a melhorias em segurança, tecnologia, eficiência e ergonomia aumentou em uma média de 1,5% por ano nos últimos 12 anos, ou seja, 21%. Entretanto, por causa da desvalorização do rand, considerando a taxa de câmbio de 13 de fevereiro de 2017, o aumento foi de 5% por ano, ou 60% no total. É possível perceber imediatamente que o planejamento de uma estratégia tradicional de substituição de máquinas sob um cenário financeiro tão diferente tornou-se proibitivo. Então, qual foi o Plano B nos últimos 10 anos?

Alguns clientes perceberam o valor da longevidade das máquinas Tigercat especialmente projetadas e importaram máquinas de segunda mão com poucas horas de uso provenientes de outras partes do mundo. Era como se eles estivessem investindo em máquinas novas Tigercat, pagando a metade do preço. Esta também é uma prática comum de madeireiros em outros países africanos.

Recentemente, a Tigercat viajou por todo o país e visitou vários clientes, de grandes empresas florestais até pequenos empreiteiros, proprietários de máquinas individuais. O objetivo era determinar como eles conseguiram lidar com as adversidades durante todo esse tempo, como se sentem como proprietários de máquinas Tigercat especialmente projetadas e se o investimento inicial valeu a pena a longo prazo.

Um forwarder carregando toras no fueiro em uma estrada.

Um forwarder com 20 mil horas de uso é considerado uma máquina nova na África do Sul

Todos os clientes concordaram que, após investir um alto capital nas máquinas Tigercat especialmente projetadas e de alta qualidade, elas precisavam ter um tempo de vida útil bastante longo. A longevidade das máquinas é um fator essencial. Por precisarem operar máquinas de segunda mão e confiar nelas, a maioria dos clientes destacou a necessidade de disponibilidade de boas oficinas de reparo, conhecimento mecânico e auto-suficiência de manutenção para que o investimento valha a pena.

Mesmo com a atual taxa de câmbio, houve algumas compras recentes de novos skidders a cabo e de garra, mas a realidade é que há um grande número de máquinas que continuam operando e que estão se aproximando rapidamente da marca de 40.000 horas. Essas máquinas são parte integrante das operações, e não apenas máquinas de reposição. Os motores e, em alguns casos, as bombas hidráulicas, os motores hidráulicos e as transmissões finais podem ter sido substituídos, mas todo o restante das máquinas parecia ainda estar em sua “primeira vida”. Alguns clientes perceberam o valor da longevidade das máquinas Tigercat especialmente projetadas e importaram máquinas de segunda mão com poucas horas de uso provenientes de outras partes do mundo. Era como se eles estivessem investindo em máquinas novas Tigercat, pagando a metade do preço. Esta também é uma prática comum de madeireiros em outros países africanos.

O chassi inferior de esteira está sendo usado por até 30 mil horas.

O chassi inferior de esteira está sendo usado por até 30 mil horas.

O feedback sobre os componentes do chassi inferior de esteira foi variado e parecia se concentrar na prática de levar as máquinas até o próximo compartimento e chamar o caminhão de plataforma. Os componentes do chassi inferior de esteira que não precisavam operar por longos períodos de tempo tiveram uma vida útil de até 30.000 horas. Por outro lado, números tão baixos como 3.000 horas eram a norma para máquinas que precisavam se deslocar por grandes distâncias de até 20 km!

A AfrEquip sempre foi flexível em relação à localização de suas peças sobressalentes e nunca insistiu em mantê-las na filial mais próxima da empresa, mas nas instalações do cliente.

Todos os clientes visitados perceberam, logo nas primeiras etapas da operação de colheita mecanizada, que seria necessário manter um determinado estoque de peças sobressalentes no local. Por isso, a AfrEquip sempre foi flexível em relação à localização de suas peças sobressalentes e nunca insistiu em mantê-las na filial mais próxima da empresa, mas nas instalações do cliente.

Skidder Tigercat de seis rodas na África do Sul. A longevidade das máquinas é um fator essencial.

No começo, foi necessário aprender a fazer o controle regular de estoque e reabastecer as peças utilizadas, mas, no final, prevaleceu a vontade de fazer com que o sistema funcionasse. Além disso, no começo, muitos clientes não queriam substituir conjuntos inteiros, como cilindros, bombas, motores ou transmissões, e tentavam abrir a montagem para reparar apenas os componentes internos que falharam. Esse processo provou ser mais caro, especialmente quando se considera o tempo de inatividade. Hoje em dia, os clientes estão acostumados a trocar a peça defeituosa por uma nova, reparar o componente defeituoso e devolvê-lo ao estoque de peças sobressalentes.

Ter um alto grau de disponibilidade mecânica é outra medida crítica que tem sido monitorada e gerenciada ao longo do tempo. A maioria dos clientes com um histórico de uso de equipamentos para agricultura ou construção convertidos para a execução de operações de exploração madeireira rapidamente se convenceu quando percebeu que a disponibilidade mecânica das máquinas especialmente projetadas era até 25% maior. Eles ficaram ainda mais admirados com a forma como a maioria dessas máquinas foi capaz de manter a disponibilidade mecânica de 90%, mesmo com um número de horas de operação tão alto quanto 30.000. É um fato conhecido que os cabeçotes de colheita (especialmente para o descascamento de eucaliptos) têm sempre um trabalho árduo pela frente, e a disponibilidade mecânica das máquinas-base especialmente projetadas depende deles. Separe as duas entidades e os números das máquinas-base ficarão ainda melhores.

A experiência ao longo dos anos com os operadores de máquinas tem sido variada, pois não havia um grande grupo experiente de operadores de equipamentos mecanizados quando a primeira onda de máquinas Tigercat entrou no país, entre 2005 e 2007. Em geral, as empresas florestais maiores foram as mais atingidas com a rotatividade de operadores, e a famosa “dança das cadeiras” era a ordem do dia, com operadores treinados e experientes buscando novas oportunidades atrás de mais alguns rands. Ao longo do tempo, o número de operadores aumentou e a situação se estabilizou. A maioria dos operadores recebem um salário mínimo somado a um valor de incentivo ligado à produtividade, à qualidade do trabalho e ao tempo de funcionamento da máquina. Todas as operações envolviam dois ou três turnos por dia, portanto o tempo de operação das máquinas aumenta 16-18 horas por dia.

Feller buncher de esteira Tigercat em uma plantação de pinheiros na África do Sul

A partir da nossa visita, observamos que, em geral, os clientes da Tigercat ficaram extremamente satisfeitos com sua decisão e fidelidade às máquinas especialmente projetadas, em vez de optarem por conversões ou equipamentos adaptados para o setor de agricultura e construção. O ótimo desempenho da máquina em ciclos de trabalho altos, condições de terreno difíceis e temperatura ambiente alta, juntamente com padrões de segurança superiores, alta disponibilidade mecânica e produtividade superior, são fatores que diferenciam as máquinas especialmente projetadas das demais.

A desvalorização da moeda na África do Sul tem sido um grande desafio para todas as empresas de colheita, pois elas não tiveram a oportunidade de implementar uma estratégia desejável e adequada para a substituição de máquinas. No entanto, há uma crença coletiva de que algo precisa acontecer no futuro e comprar mais máquinas Tigercat para atender as necessidades de colheita mecanizada na África do Sul será inevitável.

Artigos relacionados