Skip to content

On The P-r-o-w-l

A Tigercat entra no páreo com máquinas resistentes; mais produtos novos por vir. Publicado originalmente na Timber Harvesting, janeiro de 1997. Reimpressão com permissão.

Este artigo foi publicado originalmente na edição de janeiro de 1997 da Timber Harvesting.
Reimpresso com permissão.

– DK Knight

BRANTFORD, ON – De um começo obscuro no fim de 1991 no porão de um edifício de uma fábrica de aço, um “cavalo de raça” está trilhando um caminho glorioso na comunidade norte-americana de equipamentos madeireiros.

Menos de cinco anos atrás, a Tigercat Industries Inc. apresentou o protótipo de sua primeira máquina, um feller-buncher 726 do tipo dirigir até a árvore, na Timber Harvesting Expo-Southeast, perto de Quitman, na Geórgia. Tudo indicava que as chances de sucesso da empresa seriam pequenas. Ela não tinha histórico, sistema de distribuição nem experiência com feller bunchers do tipo dirigir até a árvore. Além disso, ela estava se aventurando em um segmento de mercado que passava por um momento de retração econômica.

De acordo com Tony Iarocci, presidente da Tigercat, a inexperiente empresa contradisse as piores expectativas com uma pesquisa minuciosa do mercado e foco em um único produto. Ela aliou um grupo que apreciava a engenharia e tinha fortes credenciais em equipamentos florestais ao design de uma máquina com qualidade superior. Iarocci afirma tranquilamente: “Tínhamos confiança de que nossas capacidades em engenharia e fabricação nos levariam ao sucesso.”

Incentivada pela aceitação que o diferenciado 726 teve no mercado e com as vendas superando todas as expectativas, a Tigercat atraiu a atenção de clientes e distribuidores potenciais, sem contar com a concorrência. Ela cresceu para projetar e fabricar outros modelos e introduzir novos produtos.

Apesar de esses produtos em geral custarem mais, a empresa logo emergiu como importante concorrente em um mercado competitivo e relativamente maduro. Na realidade, no breve histórico da evolução de equipamentos madeireiros norte-americanos, talvez nenhum outro fabricante tenha crescido tão rapidamente ou introduzido tantos produtos novos tão cedo em sua história.

Segundo Iarocci, a oferta inicial da Tigercat incorporava vários elementos de design de modelos precedentes e uma garantia de quatro anos para a seção central. Um ano mais tarde, ela foi seguida de uma máquina um pouco menor: o 720, que permanece o mais vendido da empresa. Mais tarde vieram as

máquinas de garras duplas, o 845 e o 860. Até 1996, a Tigercat tinha fabricado e vendido mais de 600 feller bunchers, a maioria deles utilizada nas florestas do sul dos EUA.  Segundo a Tigercat, o primeiro 726 continua em operação na Williston Timber, em Ocala, Flórida.

Iarocci reflete: “Só o tempo vai dizer, mas desenvolvemos um feller buncher que tem vida útil dois ou três anos a mais do que o setor está acostumado. Até o momento, tudo indica que isso vai se confirmar.”

A diretoria acreditava que a Tigercat tinha desenvolvido um design de máquina tecnicamente superior, e logo ficou evidente que seria fundamental ter um sistema de distribuição eficiente. Inicialmente, o processo foi doloroso, mas à medida que o 726 e o 720 ganharam popularidade e a credibilidade da empresa crescia, ficou mais fácil desenvolver distribuidores. Com o tempo, os próprios distribuidores começaram a procurar a Tigercat. Agora, a rede de distribuidores da empresa varia de empresas com um distribuidor a grandes grupos com dez ou mais pontos de venda. Da mesma forma, um contrato de marketing exclusivo permite que a empresa distribua feller bunchers de esteira no Canadá através de distribuidores industriais da John Deere.

As operações de montagem da Tigercat atualmente ocupam 9.300 metros quadrados em três instalações aqui e em Paris, Ontário. A empresa tem 120 funcionários, dos quais 20 são engenheiros. As operações de montagem da Tigercat têm o suporte das empresas parceiras

Mac Donald Steel, Manufacturer’s Metalfab e Dytech Resources, todas elas a uma hora

de distância de carro. Essas bem equipadas unidades ocupam cerca de 37 mil metros quadrados. Em seus 37 anos de história, a MacDonald Steel já realizou fabricações personalizadas para Caterpillar, Hyster, Euclid, Clark, Koehring, Timberjack, American Hoist, Champion SuperPac e Bomag, entre outras.

Iarocci é rápido ao elogiar as capacidades individuais e coletivas, bem como o desempenho e a atitude positiva dos funcionários da Tigercat. “A equipe que tivemos a sorte de formar é dedicada, trabalha com vontade e conhece o negócio”, ele diz. “Não temos hierarquia nessa empresa, queremos que nossos funcionários trabalhem ao máximo como empreendedores.”

Ele conta que “essa liberdade gera um alto nível de energia e entusiasmo, resultando em um rápido progresso no que diz respeito ao design de novas máquinas e acessórios.

Embora a Tigercat empregue uma grande porcentagem de engenheiros para uma fábrica, eles vão além da manipulação das imagens em uma tela de computador e do monitoramento da fabricação e da montagem. O presidente da Tigercat explica: “Em geral, nossos engenheiros são muito envolvidos com o mercado. A maioria deles tem liberdade para ir para campo e se comunicar com nossos distribuidores e clientes. Nada melhor do que levar as informações diretamente ao usuário final.”

A força de engenharia da Tigercat é uma combinação de experiência, juventude e entusiasmo. Por exemplo, o membro mais experiente da equipe é John Kurelek, cuja lista de credenciais inclui o desenvolvimento da primeira motosserra de alta velocidade do mercado. Ele fez isso na Koehring Waterous, mesma empresa em que Iarocci trabalhou durante muitos anos. Entre os 20 engenheiros da equipe, 12 têm 30 anos de idade. Jon Cooper, o ponto de contato do recente projeto de desenvolvimento do skidder da Tigercat, tem 31.

Para continuar lendo e ver as fotos antigas baixe o artigo