Skip to content

É uma Tigercat, pessoal

A máquina canadense é um sucesso de mercado no sul dos EUA. Reimpressão com permissão do Logging and Sawmilling Journal, novembro de 1993.

Este artigo foi publicado originalmente no Logging and Sawmilling Journal, em novembro de 1993. Reimpresso com permissão.

– Allan Haig-Brown

Identifique uma necessidade de mercado e atenda-a com a máxima eficiência. Esse é a filosofia da Tigercat Industries.

A empresa baseada em Brantford, Ontário, ganhou rápida aceitação no mercado do sudeste dos EUA por sua colheitadeira drive-through.  Mais de 40 colheitadeiras Tigercat 726 de pneu de borracha foram vendidas desde que a empresa se estabeleceu, no início de 1992.

“Temos trabalhado muito, mas estamos indo bem”, confirma Iarocci, presidente da Tigercat.

Aliás, o nome da empresa não tem nenhuma ligação com o time da liga canadense de futebol da cidade de Hamilton.  Ele foi criado por especialistas como um nome fácil de ser lembrado. As máquinas são todas amarelas.

A colheitadeira 726 parece uma pequena carregadeira na parte frontal. “É uma máquina que precisa de condições favoráveis no terreno, você precisa dirigir até cada árvore”, explica Iarocci. “Ela não foi projetada para os terrenos elevados típicos da parte norte da América do Norte, onde uma máquina com esteiras e lança é mais adequada”, acrescenta. Mas a Tigercat se sente em casa na Virgínia, na Carolina do Norte e do Sul, na Flórida, na Geórgia e partes do Texas.

“Optamos por desenvolver o mercado nessa parte dos EUA em que o setor florestal ainda não tinha sido muito afetado pela recessão e onde vimos uma necessidade de máquinas para trabalhos mais pesados”, lembra Iarocci. “Os lenhadores nos diziam que as máquinas precisavam ser aprimoradas para ter menos tempo de inatividade e vida útil mais longa.”

A seção central da colheitadeira Tigercat é fortalecida por pinos reforçados e mancais nas articulações e pivôs de montagem das lanças. Os lenhadores também contaram aos pesquisadores da Tigercat que podiam ter mais potência de motor para que as funções da máquina fossem executadas ao mesmo tempo.

O motor 195 HP da Caterpillar tem bombas, transmissão e cilindros de direção na parte traseira. O motivo é a facilidade de acesso para manutenção e uma distribuição melhor do peso para o eixo traseiro. A colheitadeira tem uma distância do solo de 53,4 centímetros (com pneus 28L x 26) e prioriza a visibilidade total do operador. Isso inclui um teto solar na cabine. “Nosso ponto forte é a engenharia pura”, resume Iarocci.

O sistema hidráulico da máquina pode ser bombeado para aceitar vários cabeçotes de corte para árvores de até 55,9 centímetros de diâmetro do tronco. Iarocci conta que os clientes usam motosserras e tesouras na máquina. Ele observa que a maioria dos lenhadores contratados do sudeste estão colhendo fundamentalmente madeira de serra da madeira menor usada para a polpa.

Outro fator que contribuiu para a rápida aceitação da Tigercat no mercado foi a incorporação de componentes de máquina familiares e comprovadamente bons.  Quando a colheitadeira é apresentada ao distribuidor ou aos usuários finais, isso ajuda muito.  Eles conseguem ver com os próprios olhos os elementos estruturais como a carcaça e a lança, conta Iarocci. O uso de marcas renomadas, e não fabricantes obscuros, para componentes como o motor, a caixa de transferência, a hidrostática e a circulação de ar tranquiliza os clientes potenciais.

A Tigercat Industries agora tem cerca de 30 funcionários em sua fábrica em Brantford. A empresa realiza diversos trabalhos de fabricação na região e compra componentes de toda a América do Norte.  Ele conta que alguns distribuidores da Caterpillar no sudeste se interessaram por vender máquinas Tigercat depois de lidarem com uma linha descontinuada do feller buncher Cat com rodas.

A oferta mais recente da Tigercat é uma versão menor do 726 feito especificamente para operações de desbaste. Os dois primeiros protótipos do Tigercat 720 saíram da fábrica recentemente também para o sudeste dos EUA.

Iarocci acredita que a máquina terá aplicações em regiões específicas do Canadá. Tanto o 720 quanto o 726 se provaram viáveis nas áreas do país onde o terreno é mais plano, sem elevações. Ele mencionou regiões como a Grand Prairie, Alberta, Prince Albert, Saskatchewan e Thunder Bay, Ontário, como possibilidades. Mas ele não prevê uma grande entrada no mercado canadense em um futuro próximo.