Skip to content

Máquina nova na área: feller buncher 853E

Este artigo foi publicado originalmente no Logging and Sawmilling Journal, em outubro de 1994. Reimpressão com permissão. Um protótipo do buncher 853E da Tigercat lida com facilidade com as inclinações B.C.

– Allan Haig-Brown

“Não é como antes”, afirma o lenhador Jerry Schwartz, querendo dizer que a época áurea da madeira e do terreno fácil ficou para trás.  O talhão de colheita em que ele está trabalhando, no alto de uma colina no Okanagan Valley, no norte de Vernon, inclui uma combinação de cedros, abetos e pinheiros com muitos nós e apenas algumas boas árvores grandes de 45 metros em pontas de 63 centímetros.  Para ganhar dinheiro com esse tipo de madeira, os custos da atividade madeireira devem ser calculados com precisão e cuidadosamente monitorados.  Não existe muito espaço para erro.

Capa do Logging and Sawmilling Journal, de outubro de 1994 Os principais componentes desses custos são mão de obra e equipamento.  Em uma equação lucrativa, eles devem ser equilibrados com a produção.  Nos últimos 25 anos, a empresa de Schwartz, a Blue Nose Logging, criou uma reputação de manter a equação lucrativa. Ele faz isso com lenhadores altamente capacitados e equipamentos modernos.  Nesse local específico, eles estão trabalhando em um talhão de colheita de 28 hectares com uma linha de equipamentos John Deere que inclui uma carregadeira 850B, skidders de garra 748E, skidders de linha 540E e escavadeiras 644. O único equipamento desse talhão que não tem o logotipo da John Deere é o novo feller buncher.

O feller buncher Tigercat 853E foi fabricado pela empresa Tigercat, de Brantford, Ontário.  No Canadá, ele é distribuído pela John Deere.  A Capital Tractors, distribuidora da John Deere, perguntou se Schwartz não gostaria de testar o protótipo durante o verão.  Foi assim que surgiu o primeiro cliente satisfeito do mercado, com a promessa de fazer mais.  “Nós testamos por três semanas e depois compramos”, conta Schartz, acrescentando que outros empreiteiros locais aguardavam na fila para a compra da unidade.

Para resumir, ele diz que gosta da operação veloz e da construção sólida da Tigercat. Com uma frota de máquinas JD e uma longa relação com a Capital, ele não se preocupa com o suporte do distribuidor ao buncher novo.

O primeiro talhão para o qual eles levaram a máquina tinha uma boa porcentagem de árvores grandes em inclinações que variavam a até 50 por cento.  O segundo talhão da avaliação, destinado à Riverside Forest Products, tinha 28 hectares e um terreno um pouco mais suave, mas as plataformas mistas reduziram um pouco a produção.

É aí que entra a combinação entre a experiência do operador e a máquina, explica Schwartz.  Ele descreve o operador Daryl Watts como “o melhor do vale. Ele pode cortar entre duas cargas e meia a três cargas por hora.

“Usando a nova máquina, Daryl cortou um talhão de 28 hectares, 4.800 metros cúbicos, em apenas sete dias de oito horas de trabalho.  Isso equivale e 150 cargas de caminhão.  A máquina estava equipada com uma motosserra circular de rotação contínua de 20” da Koehring Waterous. Ela pode acomodar várias marcas e observa que a máquina tem velocidade de esteira de 4,5 km/h, em comparação a apenas 2,0 km/h em alguns bunchers da concorrência.  Com o toque de Watt, toda a máquina parece mais rápida também.  Trabalhando em madeiras pequenas, ele corta e reúne três ou quatro troncos antes de fechar os galhos acumulados na cabeça de corte.  Mas é nos troncos grandes de terrenos muito inclinados que a máquina realmente impressiona, conta Watts.

“Da forma como a lança e os cilindros são montados, você pode colocar o cabeçote entre as esteiras. Assim você consegue mais potência de içamento com as árvores grandes.”

Watts, que já tinha operado vários feller bunchers nos últimos sete anos, também gostou da visibilidade e da resistência da cabine. “Já derrubei árvores grandes com ele”, recorda.

Quando Watts retorna ao trabalho, Schwartz descreve o próximo desafio da nova máquina: uma grande derrubada de madeira boa que deve produzir cerca de 500 cargas de caminhão. Ele planejava usar o Tigercat para cortar uma faixa ao longo da borda da madeira remanescente.  Trabalhando nessa faixa, o Tigercat seria usado para cortar os troncos que não tivessem tocos.  Um par de skidders removeria a primeira fileira duas ou três árvores de uma vez, dando acesso ao buncher para chegar à próxima fileira.

O Tigercat foi construído especificamente e vai ser vendido com um motor turbo John Deere 6076AF, 7 de 6 litros e diesel resfriado posteriormente, gerando 205 hp a 2.200 rpm.  Os cilindros hidráulicos também são John Deere e vêm com uma “caixa preta” sensora de carga que ajusta automaticamente o fluxo para que as funções de direção, giro e lança sejam mantidas em diferentes situações de carga.  A máquina foi montada em uma esteira tamanho D6 e rolos inferiores.  O protótipo tem esteiras de 61 centímetros (garra única) com furos quadrados para auxílio em neve/lama.

Tony Iarocci, presidente da Tigercat Industries, explica que a máquina foi projetada para tirar proveito da potência do motor.  O 853E, com 23.950 quilos sem um cabeçote de corte, pode ser classificado como máquina de porte médio, se comparado às máquinas grandes de 38.555 quilos, e a alguns modelos menores, de 15.422 quilos.

“O mais importante é a geometria da máquina”, afirma Iarocci. “Os projetistas se empenharam para chegar ao peso de trabalho (com o cabeçote de corte) de 26.760 quilos.

Para isso, foi preciso uma distribuição cuidadosa do peso. A ideia era fazer a menor máquina possível para lidar com os terrenos muito inclinados e acidentados e com o tamanho da madeira”, acrescenta.

O 835E é um produto bem característico dos anos 90, quando os lenhadores trabalhavam em faixas mais marginais de troncos e precisavam de confiabilidade e eficiência na operação. Muitas das máquinas antigas eram escavadoras adaptadas. O 853E é um feller buncher feito com um objetivo.

A Tigercat é uma empresa de projetistas. Tony Iarocci e outros da empresa têm muita experiência com design em outros fabricantes de máquinas florestais. A Tigercat foi formada três anos atrás e até agora se especializou na criação de feller bunchers do tipo dirigir até a árvore para o mercado do sudeste dos EUA.

“Começamos o negócio no meio da recessão e as coisas começaram a ficar um pouco mais fortes nos EUA”, diz Iarocci. “Criamos nossas primeiras máquinas para esse mercado. Agora, o nível da atividade está se voltando para o Canadá”.