Skip to content

BTB 43: PG BISON OITO ANOS DEPOIS

BTB visita de novo a PG Bison, oito anos após a compra de quatro sistemas de colheita Tigercat para uma nova operação numa zona remota da África do Sul.

— Paul Iarocci

Muitos se lembram da PG Bison como um dos clientes que participaram do filme “20”, de 2012, que coincidiu com o 20º aniversário da Tigercat. A PG Bison é uma empresa sul-africana da KAP Industrial Holdings, que faz parte da Steinhoff International e atua em vários setores. Ela fabrica e comercializa madeira, estacas, produtos de painéis à base de madeira, laminados decorativos e materiais de superfície sólida.

Em 2008, a PG Bison comprou quatro sistemas Tigercat de colheitadeira de esteira/forwarder/carregadeira para alimentar uma nova fábrica de painéis de aglomerado de última geração que consume 1.500 toneladas de fibra por dia, entregues na usina em peças de três metros de comprimento.

Toras alinhadas no plano de frente, levando os olhos do leitor ao 1075B levando uma garra cheia de toras cortadas no comprimento para o fueiro da carregadeira.

O forwarder mais recente da PG Bison, um Tigercat 1075B, contabilizou 4.900 horas de trabalho nos primeiros catorze meses.

O representante de vendas internacionais Gary Oslen, que mora na África do Sul e participou do processo original da compra, conta que não é tão fácil tentar comercializar e vender longevidade a um cliente como uma característica esperada de uma máquina de colheita para finalidades específicas. “Isso envolve muita suposição, muitas variáveis e fatores desconhecidos que poderiam desmentir facilmente todas as afirmações de um vendedor em um curto período. No entanto, visitar as máquinas anos depois das primeiras conversas sobre vendas é uma experiência recompensadora. Isso dá à Tigercat, aos distribuidores e aos clientes a confiança de que as máquinas vão durar o tempo que a Tigercat disser”.

O operador do forwarder, Mbhuti Stephen Ndovu, é um dos cinco primeiros. Ele está com a PG Bison desde que as operações de colheita tiveram início em 2008.

O operador do forwarder, Mbhuti Stephen Ndovu, é um dos cinco primeiros. Ele está com a PG Bison desde que as operações de colheita tiveram início em 2008.

Oito anos mais tarde, essas três máquinas tinham trabalhado 20.000 horas cada. Um dos forwarders originais, o 1065, foi substituído pelo 1075B, com capacidade mais alta. A empresa tem planos de reformar a frota existente para que as máquinas durem mais, enquanto continua a incluir novas máquinas ao conjunto, e ajustar os sistemas para atender aos requisitos impostos pela dinâmica de mercado e outros fatores.

O gerente de colheita Mark Wells explica: “Compramos um novo forwarder 1075B porque queríamos um fueiro maior, já que a madeira está ficando mais leve. Também queríamos começar a incluir máquinas novas junto com as antigas, para que não precisássemos substituir todas de uma vez”.

A PG Bison também tem mudado seu foco desde 2012. Prevendo um potencial declínio de madeiras brutas na África do Sul e a fim de garantir níveis sustentáveis de colheita, a empresa agora está enfatizando o desbaste de troncos e cortando menos polpa de suas plantações. Na realidade, eles estão tentando obter de 60 a 70 por cento de produção de toras para serrar nas operações de desbaste e madeira para pasta.

Pilhas de toras tomam conta do primeiro plano de uma vasta paisagem, uma fileira de árvores corta o meio-campo, nuvens cobrem colinas verdes atrás da fileira das árvores.

A imagem é perfeita. Um compartimento colhido recentemente. Os operadores de colheitadeira recebem treinamento a cada sete meses com foco em técnica e padrões de corte.

Para atingir esse objetivo, enquanto ainda abastece a usina com produtos adequados, a PG Bison estabeleceu acordos com outros produtores para comercializar toras para polpa de fibra. Os produtos finais são distribuídos para várias cidades em todo o país e o retorno para Ugie inclui troncos ou cavacos de madeira, o que torna os acordos economicamente viáveis.

Ferro envelhecido, força de trabalho mais qualificada

Embora o uso das máquinas tenha flutuado com o passar dos anos, a atividade atual dos forwarders originais (20.000 horas) é de 350 horas por mês, com 85 por cento de disponibilidade das máquinas. A rotatividade de operadores é bastante elevada e o treinamento de novos operadores, difícil. Entretanto, cinco dos 25 principais operadores permaneceram na empresa. Há quatro anos, um intenso processo de recontratação e treinamento admitiu mais sete operadores, todos eles de comunidades nas vizinhanças de Ugie e Maclear, totalizando 12 funcionários. Nove deles foram para as máquinas mais antigas.

Uma carregadeira de toras Tigercat 220 sobre caminhão carrega madeira em um caminhão.

A PG Bison usa carregadeiras Tigercat 220 sobre caminhões para carregar troncos curtos.

O novo forwarder 1075B é operado por três dos melhores operadores, em três turnos. Mbhuti Stephen Ndovu é um dos cinco primeiros. Ele gosta da estabilidade da máquina maior em comparação à 1065 que operava antes. Stephen e os outros dois operadores, juntos, somaram 4.900 horas no 1075B em catorze meses. Apesar de funcionar praticamente 24 horas por dia, a máquina está ótima.

A PG Bison criou um programa de incentivo muito detalhado. Os operadores são pagos por produção, sobre uma taxa base de produtividade. No entanto, a disponibilidade de máquina também é um incentivo. Por exemplo, para que os operadores se qualifiquem para o bônus extra de produção, o 1075B deve ter mais de 90% de disponibilidade. Isso significa que, caso a máquina quebre ou sofra desgastes desnecessários, a produção é afetada.

Um operador da Tigercat orgulhoso e sorridente nos trilhos da sua máquina, em frente a uma bela paisagem verde montanhosa.

Moos Mackenzie é mais um dos cinco operadores originais. Ele tem conseguido 37 metros cúbicos por hora nos compartimentos de desbaste de madeira para pasta.

Moos Mackenzie é mais um dos cinco operadores originais. Ele opera uma colheitadeira H822C com 18.000 horas. Nas aplicações de desbaste, ele consegue 37 m³ por hora nos compartimentos de desbaste de madeira para pasta com tamanho médio de 0,19 m³. A máquina está no segundo cabeçote. A esteira, as rodas motrizes e os roletes foram substituídos, o motor passou por revisões, e o arrefecedor de óleo e a bomba da colheitadeira foram trocados. No entanto, a máquina está estruturalmente perfeita, sem fissuras na lança, mesmo com a aplicação de ciclo elevado. Em geral, ela é muito confiável, com disponibilidade mecânica atual a respeitáveis 80% (considerando o cabeçote e a máquina).

A cada sete meses, os operadores da colheitadeira passam por treinamento de técnicas e padrões de corte. Além disso, existem treinamentos com forte ênfase sobre os perigos de disparo da corrente e como minimizar o risco de acidentes. Os funcionários também recebem orientações e serviços de aconselhamento para outras áreas da vida.

A distribuidora sul-africana AfrEquip tem um técnico permanente nessa parte remota do Cabo Oriental. Ele atende a PG Bison e outras empresas de colheita vizinhas que também operam equipamentos Tigercat. Assim como a PG Bison, a AfrEquip teve problemas com rotatividade de funcionários e enfrentou desafios para manter bons técnicos na remota cidade de Ugie. O gerente técnico da AfrEquip, John Barbour, começou como técnico de equipamentos Tigercat no local e, oito anos depois, ajuda a supervisionar as operações. Considerando ainda Jeff Cave, representante de suporte ao produto da fábrica da Tigercat na África do Sul, percebemos que a história de sucesso da PG Bison está ligada às máquinas, mas também às pessoas.

Artigos relacionados



Vídeos relacionados