Skip to content

Treinamento virtual em Alberta

No início de março, Irfan Zardadkhan e Gregor Scott, do grupo de sistemas eletrônicos da Tigercat, e o gestor distrital James Farquhar viajaram para a remota comunidade de La Crete, em Alberta. A missão deles era iniciar um simulador da Tigercat.

— Paul Iarocci

Milhões de metros cúbicos e uma parte significativa da derrubada anual permitida em Alberta é feita por empreiteiros com sede em La Crete, uma comunidade ao norte de Alberta. Além disso, muitos operadores de máquinas altamente qualificados de La Crete se espalharam por toda a província e além para trabalhar na indústria madeireira. Fazia sentido para mim que esse lugar se beneficiasse de um sistema virtual altamente realista de formação de operadores para equipamentos florestais. No entanto, foi uma surpresa saber que o sistema de simulação não foi entregue a um empreiteiro ou uma faculdade comunitária, mas à Fort Vermilion School Division (FVSD).

Foi também uma surpresa viajar até o paralelo 58, 700 km ao norte de Edmonton, para ser apresentado ao sistema escolar mais moderno que já vi. É a visão do superintendente da Fort Vermilion School Division, Mike McMann, que está trabalhando ao lado da comunidade de La Crete e dos líderes empresariais para repensar e reconstruir a educação com o objetivo de servir uma proporção muito maior de estudantes da região e entregar um produto melhor alinhado com as realidades do mercado de trabalho.

Além das comunidades de La Crete, Fort Vermilion e High Level, a FVSD atende regiões rurais muito remotas. Para Mike e a superintendente associada Karen Smith, a taxa de desistência de estudantes com 16 anos ou mais nessas comunidades tem sido inaceitavelmente elevada. A ideia é oferecer aos alunos programas de alta qualidade que sejam mais inclusivos e os mantenham na escola por mais tempo. Além dos alunos tradicionais, a FVSD procura captar e reter estudantes que possam beneficiar de programas alternativos e que, no passado, possam ter desistido do sistema escolar.

O novo programa com foco em desenvolvimento profissional baseia-se no modelo de escola universitária de Alberta, que oferece programação especializada em um assunto particular e fornece um caminho claro para o ensino pós-secundário ou a carreira de escolha. As principais caraterísticas são acordos formais com instituições pós-secundárias e a oportunidade de experiência de trabalho no mundo real.

No final, as empresas são envolvidas. Herman Wiebe, proprietário da Homeland Industries Ltda., é um empreiteiro bem-sucedido no setor de extração madeireira local. Ele explica que as escolas secundárias em áreas remotas não estão colaborando com as empresas locais. “Jovens não qualificados estão saindo da escola e aceitando empregos por um salário mínimo. Então, vamos fazer parcerias com empresas locais e empreiteiros madeireiros para mantê-los na escola por mais tempo. Assim, teremos funcionários melhores, mais qualificados, maduros e resilientes entrando na força de trabalho.”
Os novos fluxos de aprendizagem em que Mike está trabalhando foram concebidos para preparar melhor os jovens. A FVSD tem operado com os seguintes conceitos: explorar, desenvolver, crescer e experimentar. A partir do sexto ano (12 anos), as crianças são expostas a vários recursos, sendo apresentadas a uma série de ocupações potenciais. Do sétimo ao nono ano (13-15 anos), os alunos começam a desenvolver habilidades práticas no local de trabalho. Do décimo ao décimo segundo ano (16-18 anos), os alunos desenvolvem seus conhecimentos na área escolhida. A FVSD pretende incluir em seu projeto o décimo terceiro e o décimo quarto anos (19-20 anos), dando aos alunos tempo e espaço para experimentar a carreira escolhida, que podem ganhar créditos de nível universitário e de aprendizado enquanto ainda estão no ensino secundário. Um aluno pode se formar com um diploma e um primeiro ano de estágio. Outros estudantes podem receber créditos de nível universitário, sem o custo financeiro associado às mensalidades da faculdade.

Disciplinas fundamentais necessárias para a graduação, como matemática, inglês e ciência, são ensinadas na escola secundária local. A formação específica profissional ocorre em três outras instalações no distrito. O primeiro simulador Tigercat foi entregue à escola De Oabeit, em La Crete. A nova instalação de 885 metros quadrados inclui salas de aula, um laboratório de simulação e uma área completa para mecânica. Fort Vermilion e High Level receberam instalações semelhantes. Também foram orçados simuladores adicionais da Tigercat para esses campi.

Bryan Rempel, especialista em TI do campus De Oabeit, em La Creta, assumiu a responsabilidade pela implementação dos aspectos técnicos do programa. Bryan nos mostrou as vizinhanças do campus de La Crete. Ficamos impressionados quando entramos no laboratório de simuladores. Estações de laptop com tecnologia avançada de tela 3D permitem aos alunos girar, manipular e dissecar objetos que parecem estar flutuando no espaço. Além do simulador Tigercat recém-entregue, havia cinco simuladores de equipamentos de construção em rede, permitindo que os alunos trabalhassem juntos. Por exemplo, um aluno podia operar um caminhão de pedras enquanto outro o carregava com uma escavadeira. Experimentamos um simulador de voo fechado totalmente imersivo para um avião monomotor. O realismo foi suficiente para provocar uma leve tontura.
Uma autoescola para motoristas de caminhão atualmente voltada para adultos se responsabiliza pelo custo das mensalidades como forma de subsidiar os programas de nível universitário. Os alunos estão aprendendo como operar drones e, no processo, descobrindo a tecnologia LIDAR e outras aplicações avançadas. Em uma oficina bem equipada, vimos eixos e transmissões de equipamentos pesados em várias fases de montagem. Os alunos estavam trabalhando juntos na construção de uma casa em miniatura, buscando ao mesmo tempo desenvolver suas carreiras individuais em design, construção, carpintaria, encanamento e eletricidade.

Estão em andamento planos para preparar terrenos onde colocar as pequenas casas. Espera-se que esta seja outra experiência de aprendizagem do mundo real, expondo os alunos à carreira de operador de equipamentos em um projeto real de desenvolvimento de sites. Um modelo de negócio será desenvolvido para estabelecer receitas de aluguel, novamente operado por estudantes. Bryan explica que, em vez de projetos hipotéticos, os alunos desenvolverão negócios reais. Os fluxos de receitas adicionais, por sua vez, levarão ao desenvolvimento de mais programas.

“A comunidade em La Crete é impressionante”, observa Gregor. “A parceria entre a escola e a comunidade empresarial é diferente de tudo o que já vi. Fiquei surpreendido ao ver como os líderes empresariais locais colaboram com as escolas para ajudar as gerações futuras a aprender habilidades práticas que, por sua vez, ajudarão a economia de La Crete a crescer. Vi um foco claro em proporcionar a todos os alunos o maior número possível de experiências práticas em seus cursos.”

Para proprietários de empresas madeireiras como Philip Unrau, CEO do FTEN Group of Companies, a formação em equipamentos pesados e a carreira de operadores de máquinas são particularmente atraentes. Operando empresas de colheita, construção pesada, empilhamento e transporte, Philip é grato pelo entusiasmo de Mike e pela velocidade com que ele está implementando ideias inovadoras na educação. Ele estima que cerca de metade dos operadores de máquinas florestais em Alberta vêm de La Crete. “Este programa terá um grande impacto na província”, disse Philip.

Os operadores especialistas Andy Driedger, proprietário da Garden River Logging Ltda., e Willy Neufeld, proprietário da Northern Timber Management, visitaram o laboratório durante a fase de inicial e executaram o simulador, fornecendo a Irfan e Gregor um valioso feedback sobre os novos programas que tratam de processadores e feller bunchers. “Todos os operadores de máquinas que testaram o simulador queriam dar seu feedback para ajudar a melhorá-lo. Tenho muitas anotações”, diz Gregor. A equipe de desenvolvimento de simuladores busca constantemente melhorar os programas e elaborar um conteúdo mais relevante e transferível. As atualizações são entregues às unidades do simulador diretamente da fábrica da Tigercat por meio da rede Wi-Fi.
Jon Goertzen é um consultor florestal que tem trabalhado com a FVSD e os empreiteiros locais de exploração madeireira em pedidos de subsídios para o governo da província para financiar a expansão do programa florestal. Ele dedicou tempo pesquisando diferentes sistemas de simulação de equipamentos florestais e obtendo informações de empreiteiros locais para garantir que o programa atendesse melhor os alunos, ao mesmo tempo em que se adaptava aos requisitos do mercado de trabalho do mundo real.

“O objetivo é desenvolver competências em operações de equipamentos florestais”, diz ele. “Os simuladores são uma ferramenta essencial para ajudar a desenvolver movimentos repetitivos e criar procedimentos de trabalho corretos. Os simuladores serão combinados com espaço de oficina para aprendizado prático e salas de aula multiuso, proporcionando aos alunos treinamento em operação de máquinas, manutenção e segurança.”

O programa de operação de máquinas florestais será construído em torno dos simuladores Tigercat, começando com programas para feller buncher de esteira e processador para operações em beira de estradas. Os conjuntos reais de controles da máquina podem ser alterados para alternar de um programa para outro em minutos. Todos os empreiteiros que visitaram o laboratório concordaram que a capacidade de colocar controles reais no simulador é um aspecto que diferencia o produto Tigercat de outros simuladores. Como os empreiteiros da área de La Crete possuem controles de processador padronizados, um aluno treinado em um simulador da Tigercat adquirirá um conjunto de habilidades portátil e útil. Todos os empreiteiros com quem conversamos concordaram com as vantagens óbvias do treinamento baseado em simulador para seus negócios: menos desgaste nas máquinas, menos necessidade de manter uma máquina improdutiva durantes as várias horas de treinamento, redução do consumo de combustível e maior segurança no trabalho.

Jon observa que há muitas comunidades indígenas na região da FVSD. “Muitos de nós aqui em La Crete cresceram em uma fazenda. Eu já operei um caminhão agrícola, dirigi um caminhão de grãos e tenho alguma experiência com equipamentos. Quem não tem experiência fica em grande desvantagem. Algumas crianças das comunidades indígenas não tiveram nenhum tipo de contato com equipamentos, e isso é uma preparação para a falha, porque elas não têm o mesmo tipo de experiência. É uma grande razão para que uma unidade móvel vá até as escolas rurais.” Os simuladores ajudam a nivelar o campo de atuação, avançando o objetivo de formar todos os alunos do distrito com credenciais adicionais para ajudá-los a serem bem-sucedidos. “Eu realmente me preocupo com a área local. Eu me preocupo com empregos futuros para as crianças”, diz Jon. “Tenho filhos, e tenho 35 sobrinhas e sobrinhos. Precisamos oferecer uma formação adequada.”

Gregor enfatiza que está animado para trabalhar com o distrito escolar e os empreiteiros para ajudá-los a aproveitar ao máximo o simulador e desenvolver ainda mais o produto. “Os jovens que concluem o currículo devem levar muito menos tempo para se tornarem operadores competentes, e isso os ajudará a explorar oportunidades de emprego locais. Além disso, nosso trabalho em La Crete tornará o simulador um produto melhor para todos.”

Related Content

loader-icon

Treinamento virtual em Alberta


No início de março, Irfan Zardadkhan e Gregor Scott, do grupo de sistemas eletrônicos da Tigercat, e o gestor distrital James Farquhar viajaram para a remota comunidade de La Crete, em Alberta. A missão deles era iniciar um simulador da Tigercat.


Andy Driedger, owner of Garden River Logging Ltd. (seated) takes the processor simulator through its paces. Philip Unrau, CEO of FTEN Group of Companies at left, along with Gregor Scott from the Tigercat electronic systems group, and forestry consultant, Jon Goertzen at right.